Senhora tentação – Cartola


Jamais pensei em minha vida,

Sentir tamanha emoção,

A ti confesso que me apaixonei,

Será uma maldição, não sei,

Sinto abalada minha calma,

Embriagada minha alma,

Efeitos da tua sedução,

Oh! Minha romântica senhora tentação

Trechos da música “Senhora Tentação” (Silas de Oliveira/Cartola)

A letra cantada por Agenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola, caiu como uma luva sobre a minha intenção de declarar todo o amor que tenho por essa sobremesa: a cartola.

Sim, peço uma licença poética pra usar as palavras cantadas pelo maior sambista de todos os tempos, cujo “nome de guerra” batiza também a tentação da minha vida, e que senhora tentação!

Trocadilhos à parte, vamos ao que interessa – a receita (para duas pessoas):

  • 2 unidades de banana-prata
  • 250g de queijo manteiga
  • Açúcar e canela em pó para polvilhar
  • Manteiga para dourar a banana e o queijo (quanto baste)
  1. Corte as bananas ao meio no sentido longitudinal (do comprimento)
  2. Doure-as na manteiga dos dois lados, reserve
  3. Corte fatias generosas do queijo manteiga e doure também, até ficar quase todo derretido
  4. Arrume num prato as bananas, as fatias de queijo por cima e polvilhe com açúcar e canela

Fonte: Comedoria Popular – Ana Claudia Frazão

Agora se você vier a Pernambuco e quiser mesmo provar “A” cartola, tem que conhecer o Rei das Coxinhas em Gravatá, parada obrigatória quando vamos pra Caruaru e onde a lista de coisas gostosas é enoooorme. 

Quem passar por lá tem que provar também o pãozinho francês com queijo manteiga e coxinha de charque com catupiry, na minha humilde opinião, a melhor de todas as coxinhas que eles fazem.

É um ambiente amplo e bem familiar onde se compra também artesanato (com preço pra turista, claro), doces regionais, se bate um bom papo enquanto engorda horroresssss…

A Fernanda adora porque eles colocam uma cadeirinha de bebê acoplada na mesa e ela se sente gente grande:

Ah, e lá eles servem meia porção da cartola, e tem também a versão diet. Mas se é pra enfiar o pé na jaca, que sejam os dois de uma vez né, gente?